(11) 4745-6900

Nova América I sofre com falta de água, luz e rede de esgoto

Desde a manhã de segunda-feira moradores pedem solução para o problema

16 FEV 2021 - 21h:45 Por Thiago Caetano - de Suzano
Falta de água, luz, janelas e telhados danificados, esgoto invadindo casas. Esta é a situação que vivem os moradores do Condomínio Nova América I Falta de água, luz, janelas e telhados danificados, esgoto invadindo casas. Esta é a situação que vivem os moradores do Condomínio Nova América I / Isabela Oliveira/DS
Falta de água, luz, janelas e telhados danificados, esgoto invadindo casas. Esta é a situação dos cerca de 200 moradores do Condomínio Nova América I, no Jardim Nova América, em Suzano. Outra reivindicação é a falta de segurança no local. Segundo os moradores, as cercas em torno do prédio são muito baixas e facilita ação de invasores. 
 
Na parte de trás dos prédios existe uma ribanceira. Quando chove, a água desce diretamente no condomínio, causando mais transtornos para os moradores.
 
Aparecida Tenório é coordenadora e conselheira do bloco 10 diz que o problema é antigo. Segundo ela, em algumas situações, os próprios moradores resolvem a situação. “Há um tempo a caixa d’água estourou e os próprios consertaram o cano”, conta. No entanto, desde ontem os moradores convivem com a falta de água. “Desde ontem de manhã não temos água. Estamos vivendo caos”, disse Aparecida. 
 
“Não queremos guerra. Nem confusão. Queremos água. Água é vida. Aguentamos ficar sem luz, mas sem água não dá”, reivindica.
 
Quem vive no local relata que é preciso pegar um balde e buscar em uma torneira em outro ponto do conjunto habitacional. Quando anoitece outra preocupação toma conta dos moradores: a falta de iluminação. “É um descaso. Não temos água, iluminação e segurança. Estamos pedindo socorro. Tem crianças e idosos sem água”, desabafa Reinado Bernardes da Silva, que mora há um mês no local.
 
Os moradores dizem se sentir abandonados. 
 
“Pagamos as contas corretamente e ficamos sem água. É complicado. Ficamos desanimados. Moro há 3 meses aqui e vivo desse jeito”, conta Eduardo Seixas.
 
Quem também sofre com os diversos problemas do local é Celestino Tavares, de 85 anos. Ele vive com sua esposa, Tereza Tavares, de 93 anos. “Não tem água para beber e nem para tomar banho. Esperamos que melhore. Gosto bastante daqui, mas viver nessa situação é bastante complicado”, desabafou celestino.
 
A Sabesp informou que vistoria realizada ontem constatou que o problema de abastecimento no condomínio citado se deve à falha interna no bombeamento de água para o reservatório superior do conjunto, cuja manutenção é de responsabilidade do condomínio. 
 
O responsável no local foi orientado sobre a necessidade de manutenção. 
 
A companhia esclareceu que o abastecimento na rua em questão está normal, com a pressão da água medida no cavalete do referido imóvel dentro das normas técnicas.
 
Já a EDP informou que a manutenção de luminárias existentes e instalação de novos pontos de iluminação pública no município de Suzano é de responsabilidade da Prefeitura.
 
Prefeitura avalia providências de infraestrutura na parte externa
 
A Prefeitura de Suzano informou que o “empreendimento residencial mencionado é particular, não havendo qualquer gerência da administração municipal sobre assuntos internos do condomínio”.
 
Quanto aos serviços na infraestrutura na parte externa, no bairro, a Secretaria de Manutenção e Serviços Urbanos de Suzano informou que tomou conhecimento das demandas dos moradores hoje e que já está avaliando as providências a serem tomadas. Segundo a Prefeitura, quaisquer solicitações referentes à zeladoria devem ser feitas à Ouvidoria Municipal, pelo telefone 0800 774 2007.
 
No que se refere às questões de abastecimento de água, mesmo sendo um empreendimento particular, a prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Governo, solicitou que fosse formada uma comissão de cinco pessoas e a acompanhou até o escritório da Sabesp, onde houve uma reunião para tratar do assunto.
 
Foi explicado pelos representantes da empresa estadual que havia dívidas do condomínio e também da construtora responsável pela obra das unidades em razão de contas não pagas.
 
“No entanto, a suspensão do fornecimento de água não estava relacionada a estes débitos, mas sim a um problema na bomba de abastecimento do conjunto que foi constatado por integrantes da Secretaria Municipal de Planejamento Urbano e Habitação enquanto estavam no local dialogando com os moradores e verificando a situação enfrentada por eles”.
 
Durante o encontro com a Sabesp, os membros da comissão fizeram uma negociação com a empresa estadual e definiram o parcelamento da dívida que estava em aberto (exceto o débito da construtora, com quem ainda será tratado a respeito) para sanar este problema.

Leia Também