(11) 4745-6900

Cidades

Procura por imóveis segue em alta neste início de ano

Negociações no pagamento de alugueis de espaços comerciais e a quantidade de pessoas que estão trabalhando em casa, foram fundamentais para que não houvesse baixa no setor

21 FEV 2021 - 18h:18 Por Matheus Cruz - de Suzano
Procura por imóveis segue em alta neste início de ano Procura por imóveis segue em alta neste início de ano / Regiane Bento/DS
O setor imobiliário, ao contrário de outras áreas, segue com o mercado aquecido mesmo em meio aos reflexos negativos trazidos pela pandemia. De acordo com o presidente da Associação dos Corretores de Imóveis de Suzano (Acoris), Ademilson Bernardes, as negociações no pagamento de alugueis de espaços comerciais e a quantidade de pessoas que estão trabalhando em casa, foram fundamentais para que não houvesse baixa no setor.
 
“Na parte comercial houveram muitas negociações. Por conta dos decretos da prefeitura e do estado, muitos estabelecimentos não puderam funcionar em período integral. Por isso, eles não conseguiram pagar os alugueis. Foi quando as negociações começaram, alguns donos abaixaram o aluguel, outros isentaram totalmente o valor”, explicou. No quesito de compra e venda de imóveis residenciais, também não houveram muitas diferenças em relação ao final do ano, quando o mercado se mostrava bastante aquecido. Durante pandemia, muitos trabalhadores permaneceram trabalhando em suas casas. Segundo Ademilson, esse tem sido um fator que contribuiu para que a procura por imóveis não tenha caído.
 
“Com as pessoas trabalhando em casa, elas começaram a buscar mais espaço para fazer de suas residências não só um espaço para chegar e dormir, mas também de convivência para todo o dia. Muitos buscam um espaço maior e mais aconchegante”, explicou. 
 
Para o representante da Acoris, a perspectiva é de que o mercado imobiliário aqueça anda mais em 2021. Ele aproveitou para destacar o crescimento dos estabelecimentos comerciais nos bairros afastados do Centro, como no Jardim Dona Benta, em Suzano.
 
“Hoje em dia o Jardim Dona Benta bate de frente com os comércios da Glicério, por exemplo. Lá, as condições comerciais estão no mesmo patamar, isso faz com que dê ainda mais expectativa para este ano”, 
 
“As perspectivas são as melhores. Se durante a pandemia conseguimos manter o setor sem tantos prejuízos, em comparação com outros, penso que quando tudo isso terminar, vamos conseguir reflexos ainda melhores”, destacou.

Leia Também