Logo de aniversário de 60 anos
(11) 4745-6900

Cidades

Projeto de acolhimento social de Suzano completa um ano

Desde 4 de maio do ano passado, 517 pessoas foram acolhidas pelo serviço

3 MAI 2021 - 16h:44 Por de Suzano
Com capacidade para até 120 beneficiários, o Complexo Poliesportivo Paulo Portela, o Portelão, tem sido um lar para essas pessoas Com capacidade para até 120 beneficiários, o Complexo Poliesportivo Paulo Portela, o Portelão, tem sido um lar para essas pessoas / Wanderley Costa/Secop Suzano

O atendimento do abrigo emergencial para a população em situação de rua de Suzano completa um ano de funcionamento nesta terça-feira (4). Durante este período, 517 indivíduos foram acolhidos e receberam os devidos cuidados para evitar a contaminação do novo coronavírus (Covid-19). Com capacidade para até 120 beneficiários, o Complexo Poliesportivo Paulo Portela, o Portelão, tem sido um lar para essas pessoas, que têm liberdade para sair quando quiserem.

O serviço de acolhimento institucional em caráter emergencial foi criado para atenuar o impacto da pandemia da Covid-19 nesta parcela da população, que se encontra constantemente exposta à contaminação e com recursos escassos. De acordo com levantamento do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), órgão que realiza os acolhimentos, a maioria dos assistidos (454) são homens com uma média de 40 anos de idade.

O serviço não funciona de portas abertas, ou seja, o encaminhamento para o abrigo ocorre por meio do Creas, que acolhe os interessados e realiza um trabalho constante pela cidade para convidar as pessoas que se encontram nessas condições a participar e, assim, zelar pela sua saúde e segurança.

No local, os indivíduos têm acesso a leitos, refeições, recursos de higiene adequados, amplo espaço para área de convivência e ambientes reservados para uso infantil. Os animais também são acolhidos, ficando em espaço cuidado pela equipe do PlayPet. O abrigo segue todas as recomendações de saúde e prevenção necessários para evitar a disseminação da Covid-19.

Segundo o secretário municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Geraldo Garippo, nenhuma pessoa é obrigada a permanecer no alojamento. “A saída será livre, desde que haja referenciamento técnico e laudo clínico assegurando as condições de saúde da pessoa. O principal objetivo é conter a disseminação do vírus e oferecer apoio constante a esta população que se encontra vulnerável”, ressaltou.

O prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, afirmou que o espaço fornece todo o suporte necessário para que as pessoas em situação de rua fiquem protegidas, alimentadas e seguras neste momento de adversidades. “Com este serviço, preservamos a integridade da população mais exposta ao vírus e diminuímos a circulação nas ruas. Estamos de portas abertas para quem precisar”, concluiu.

A iniciativa é executada pela pasta de Assistência e Desenvolvimento Social e pelo Centro Social Bom Samaritano. Eles contam com o apoio de um grupo gestor, composto pelas Secretarias Municipais de Esportes e Lazer e de Cultura, bem como pelo Fundo Social de Solidariedade - os órgãos auxiliam na organização do local e na oferta de atividades.

A Secretaria de Saúde de Suzano também atua no local, sendo responsável pela triagem e o acompanhamento clínico dos assistidos, assim como a Diretoria de Praças, Parques e Jardins, que cuida do acolhimento adequado de cães e gatos da população em situação de rua.

Para mais informações, dúvidas ou sugestões, os interessados poderão entrar em contato com o Creas pelos telefones (11) 4747-1973 ou 4743-2588, de segunda à sexta-feira, das 8 às 17 horas.

Leia Também