(11) 4745-6900

Cultura

Festival leva arte e cidadania ao Miguel Badra no próximo dia 12

Revitalizando a Quebrada, que tem à frente o escritor Ademiro Alves, o Sacolinha, promete vida nova à periferia com intervenções de grafite, poesia e plantio de árvores

3 AGO 2021 - 15h:08 Por de Suzano
Revitalizando a Quebrada, que tem à frente o escritor Ademiro Alves, o Sacolinha, promete vida nova à periferia com intervenções de grafite, poesia e plantio de árvores Revitalizando a Quebrada, que tem à frente o escritor Ademiro Alves, o Sacolinha, promete vida nova à periferia com intervenções de grafite, poesia e plantio de árvores / Elidiane Alexandrino/Divulgação

Antes mesmo dessa pandemia impor a necessidade de criar intervenções nos bairros com animações urbanas e mobilidade ativa, o escritor Ademiro Alves, o Sacolinha, mostrava como a cultura e a arte são grandes aliadas para o futuro das cidades. À frente do Festival Literatura e Paisagismo - Revitalizando a Quebrada, que chega à sua segunda edição, o autor de “Dente-de-leão: a sustentável leveza de ser” e “Entre amar e morrer, eu escolho sofrer”, entre outros títulos da literatura periférica, promoverá mais uma ação que une grafite, poesia e plantio de árvores entre os próximos dias 12 e 15, das 9 às 19 horas, no Miguel Badra Baixo e Alto, em Suzano.

A iniciativa conta com o patrocínio do Programa de Ação Cultural (ProAC LAB), mas para a realização desta atividade, que prevê a contratação de artistas urbanos, poetas e músicos, Sacolinha está com uma campanha de venda de livros para completar o valor necessário. O objetivo é arrecadar R$ 20 mil até o início do festival, ou seja, dia 12 de agosto.

Para contribuir com o projeto que tem como premissa revitalizar a periferia para oferecer um ambiente melhor a todos, basta comprar um livro do escritor diretamente pelo site www.escritorsacolinha.com/loja. A proposta da ação é criar animações urbanas para garantir dinâmica aos bairros e segurança na vida cotidiana da periferia.

Os artistas contratados irão circular em um carro de som durante cerca de uma hora e meia em cada local que será revitalizado. A ideia é movimentar os bairros com música e poesia para que a população tenha esse contato no momento em que se deslocar até a feira, ao mercado ou outro lugar. Por conta da pandemia a organização do evento optou por não montar palco para evitar aglomeração.

A ação terá início com a preparação dos espaços que receberão as intervenções artísticas. Na quinta e sexta-feira (12 e 13/08) será realizada a limpeza das áreas e manutenção dos muros. O sábado e domingo (14 e 15/08) serão dedicados ao grafite de poesia nas paredes e ao plantio das mudas de árvores nas calçadas dos vizinhos que autorizaram.

A grafitagem nos muros ficará sob a responsabilidade de dez artistas urbanos de Suzano e região, sendo eles Ítalo Raphael, Jae, Jana Ilustra, Mari (As Gordinhas), Oreia1, Raça, Rod, Ruy Guanaes, Ripa e xChex.

De acordo com o Sacolinha, que comandou a primeira edição do festival em 2018, no Jardim Revista, a arte aliada ao senso de coletividade, organização e participação popular tem o poder de transformar não somente o espaço urbano, mas a consciência das pessoas para produzir resultados significativos na vida da comunidade:

“O que fazemos com esse projeto é uma inovação social através do grafite, da poesia, da música, do plantio de árvores e da literatura com o objetivo de alterar a paisagem urbana da periferia e minimizar as desigualdades. A arte é mobilizadora e permite que as mudanças atinjam não somente o espaço físico, mas que provoquem transformações na vida das pessoas”, explica Sacolinha, idealizador do Festival. 

Leia Também