(11) 4745-6900

Região

Projeto de revista em quadrinhos com relatos de crianças sobre as vivências na pandemia vence premiação nacional

Iniciativa foi realizada pela professora de língua inglesa Suéller Costa com alunos do 1º ao 5º ano da EM Presidente Getúlio Vargas, em Guararema

19 OUT 2021 - 17h:08 Por da Região
Há dois anos na rede municipal, Suéller Costa faz uso das múltiplas linguagens para estimular o interesse dos alunos pela língua inglesa Há dois anos na rede municipal, Suéller Costa faz uso das múltiplas linguagens para estimular o interesse dos alunos pela língua inglesa / Divulgação

Escuta, atenção, carinho, afetividade e espaço aos estudantes, para ouvi-los, entendê-los e, principalmente, acolhê-los de forma especial no retorno às escolas após um longo período distantes do ambiente onde vivenciam a maior parte de suas experiências. Foi pensando, principalmente, nos aspectos socioemocionais de seus alunos, após o isolamento social, que a professora de língua inglesa Suéller Costa desenvolveu com as turmas do 1º ao 5º ano da Escola Municipal Presidente Getúlio Vargas, da rede de ensino de Guararema, o projeto “It’s Okay to Feel your Feelings”, que significa “Tudo Bem Sentir os Seus sentimentos”. A iniciativa foi vencedora no Prêmio CpE na Sala de Aula, realizado pela Rede Nacional de Ciência para a Educação. A educadora se destacou na categoria “Medidas para Mitigar as Questões Emocionais entre Alunos e Professores”, que procurou elencar propostas realizadas em todo o Brasil para acolher a comunidade escolar no novo ano escolar ainda no momento pandêmico. Segundo a organização, a equipe recebeu mais de 200 relatos, e coube à Comissão Julgadora a escolha dos vencedores.

O projeto se destacou por mostrar a atenção, e, ao mesmo tempo, preocupação em como receber os alunos após um ano de isolamento social. O retorno às aulas acontecia aos poucos, e, por conta disto, foi realizado de forma híbrida, tanto presencial quanto remoto. Após conhecer as turmas, a professora começou a desenvolver a proposta com o objetivo de ouvir as crianças, para saber como elas estavam e o que passaram ao longo da quarentena. Por lecionar língua inglesa, explorou os sentimentos no idioma estrangeiro, e, ao contextualizá-los com o período pandêmico, atingiu sua missão, a aproximação dos alunos, por meio da escuta ativa, e, em especial, a afetividade e solidariedade a todos, em vista do que vivenciaram junto às suas famílias em um período tão delicado.

Primeiramente, foram apresentados os vocábulos e expressões relativas à temática no idioma estrangeiro; realizadas atividades de fixação; dinâmicas para assimilação, como jogos da memória, mímica, forca; e, com os significados apreendidos, uma roda de conversa para contextualizar os conteúdos com situações reais. Nesta etapa, as crianças foram incentivadas a relatar quais sentimentos mais as assolaram no período de isolamento social. Vocábulos como “scared” (assustado), “angry” (bravo”), “sad” (triste), “confused” (confuso), “anxious” (ansioso) se sobressaíram. Por outro lado, o “loved” (amado) também ganhou destaque, e as crianças o associaram ao fato de estarem mais próximas de seus pais, e, juntos, se sentirem mais protegidas, por conta de todos estarem em casa.

Segundo a professora, os relatos construíram um precioso enredo, envolvendo histórias tristes e felizes. “Em alguns momentos, tive de conter a emoção, e os alunos, a comoção. Isso porque ouvimos relatos fortes, como a perda de entes queridos. Para se ter uma ideia, entre dez crianças, cerca de oito vivenciaram o luto. Por outro lado, houve registros alegres, como a oportunidade de ficarem mais tempo com os pais, pois a maioria trabalha o dia todo, e o período junto aos filhos é sempre curto. Então, para as crianças, esta convivência foi significativa. Alguns relataram o cansaço pelas aulas remotas e as tarefas de casa. A maioria das crianças se sentiu ansiosa, por não aguentarem ficar mais dias em casa e contavam as horas para voltar à escola. Também teve relatos divertidos, como a de irmãos que disputavam o videogame e ficavam de castigo, colegas que foram presenteados com animais de estimação para fazer mais companhia, muitos ganharam irmãozinhos. Foi uma atividade com a qual eu pude entrar na casa de cada um e conhecer um pouquinho o que eles vivenciaram em um período tão dedicado”, destaca.

Em vista da relevância das narrativas, a educadora sentiu a necessidade de registrar as vivências, dando amplitude ao projeto. Os alunos foram desafiados a transformar os textos orais para os escritos e ilustrativos. A linguagem dos quadrinhos foi a escolhida para o trabalho, pois as crianças são familiarizadas com o estilo. Após explicar as características desse gênero, elas transcreveram suas experiências pelos balões e desenhos. Os 1º e 2º anos com menos quadros, já os 3º e 4º anos com mais unidades, por conta do repertório linguístico ser ampliado. Todos fizeram as produções em duas versões, na língua portuguesa e, em seguida, inglesa. E, logo depois, participaram de um show case, ou seja, uma apresentação geral, para todos conferirem os trabalhos dos colegas, treinando a leitura e escrita, além da oralidade e interpretação.

A educadora percebeu que a maioria das crianças desenham muito bem, e, nessa faixa etária, as ilustrações são a linguagem pela qual melhor se expressam, principalmente os menores. Ao longo do processo, foi falado sobre os profissionais que atuam nessa área, e, para responder às curiosidades dos educandos a respeito da área, quatro quadrinistas foram convidados para conversar com as turmas. Como não era possível um encontro presencial, os alunos produziram vídeos com suas perguntas, a professora enviou aos especialistas, que, gentilmente, responderam a todos. Em seguida, foi editado um vídeo com todos os depoimentos, exibido aos grupos, tanto em sala quando pela plataforma digital. Este feedback encerrou o projeto,  e alguns alunos, inclusive, se viram como futuros desenhistas, quadrinistas e ilustradores. As entrevistas podem ser conferidas no link: https://youtu.be/Ib1aEOSf_38.

Toda esta experiência resultou na revistinha intitulada “It’s Okay To Feel Your Feelings”, que reuniu mais de cem histórias reais. “Elas evidenciam que estes educandos, que têm sido chamados de Geração Covid-19, possuem muitas histórias para revelar e experiências de vida para compartilhar”.

Live com vencedores

Nesta quinta-feira, dia 21 de outubro, a professora Suéller Costa participará, às 18h30, de uma live especial junto aos outros dois vencedores da premiação na categoria “Medidas para Mitigar os Prejuízos Sociais, Físicos e Mentais de Professores e Alunos após a Pandemia”. A exibição será pelo canal do Youtube da Rede CpE (https://www.youtube.com/watch?v=BqoTg3ZLRH4). O painel integra a programação do IV Encontro Anual da Rede Nacional de Ciência para a Educação. O evento é aberto e terá direito a certificação. Para isto, é necessário se inscrever pelo site https://cpe2021.com.br/.

Leia Também