(11) 97569-1373

2 milhões de doses por dia

12 JAN 2021 - 05h:00
Se a vacina é, hoje, o único meio de reduzir as mortes e proteger a população contra a contaminação da Covid-19 é nela que temos de nos apegar.
É preciso confiar na ciência. A preparação, os resultados, todos os estudos estão baseados em dados seguros. A tecnologia permite, neste mundo contemporâneo, a produção de uma vacina em tempo recorde: cerca de um ano.
A segurança para aplicação das doses também vem sendo acompanhada. Outros países do mundo começaram a vacinação e, por isso, é importante seguir esses exemplos. O País não pode mais esperar. Os casos aumentam e, sobretudo, as mortes também.
Ontem, o governo de São Paulo trouxe mais uma boa e imporante informação.
Anunciou que terá capacidade para entregar 2 milhões de doses da Coronavac por semana aos municípios paulistas a partir da aprovação do imunizante, e informou que policiais da Tropa de Choque farão a escolta dos caminhões que levarão o imunizante a todo o Estado.
Os municípios estão aguardando as decisões finais e oficiais. Estão à espera do envio de doses para iniciar a campanha que, praticamente, já está planejada.
O Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) informou ao DS que tem capacidade de realizar a campanha de vacinação, com sucesso, a partir do dia 25, data estipulada pelo Estado para iniciar a aplicação de doses da Coronavac.
Em São Paulo, as doses partirão para uma central de logística do governo, primeiro diretamente aos 200 municípios mais populosos, com mais de 30 mil habitantes. Segundo o Estado, a capacidade logística permitirá a distribuição de 2 milhões de doses por semana por meio de caminhões refrigerados. Serão 70 rotas por semana.
Desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e produzida em parceria com o Instituto Butantã, a Coronavac teve seu pedido de uso emergencial submetido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na sexta-feira, 8, mas, no dia seguinte, após uma triagem dos documentos enviados, a agência informou que faltam informações para avaliar a solicitação. O órgão repassou ao Butantan a lista de documentos faltantes no próprio sábado, 9.
Na quinta-feira, 7, o governo de São Paulo realizou coletiva para anunciar que a Coronavac atingiu eficácia de 78% contra casos leves e de 100% contra casos graves, mas os dados são de apenas um recorte do estudo.
O índice geral de eficácia, referente a toda a amostra de voluntários, ainda não foi divulgado. A ausência de informações básicas fez com que cientistas externos criticassem a falta de transparência do Butantã na divulgação dos resultados da Coronavac.
Nesta segunda, 11, o governo de São Paulo afirmou que a taxa geral de eficácia será apresentada em coletiva de imprensa nesta terça-feira, 12.
Uma coisa é certa: a população paulista está perto de começar a tomar a vacina em um momento crítico do País em que os casos voltaram a crescer.

Leia Também