Logo de aniversário de 60 anos
(11) 4745-6900

Desafio de gerar empregos

27 MAI 2021 - 05h:00

O desafio da geração de empregos fica mais difícil por conta da pandemia. Apesar de uma expectativa de que a economia possa ser retomada, o momento ainda é muito complicado com milhares de brasileiros perdendo seus empregos e, outros tendo de reavaliar projetos.
Ontem, novos dados sobre geração de empregos foram divulgados pelo Ministério da Economia.
De acordo com reportagem da Agência Brasil, em abril deste ano, o número de trabalhadores contratados com carteira assinada foi superior ao de demitidos, embora a geração de postos de trabalhos formais tenha ficado abaixo do resultado do mês de março. Os números são de todo o País.
O DS traz, na edição de hoje, os números do Alto Tietê. 
Segundo o Ministério da Economia, em abril, houve 1.381.767 admissões e 1.260.832 desligamentos no mercado formal de trabalho, o que resultou na geração de 120.935 postos de trabalho em todo o País.
O destaque foi para o setor de serviços, que gerou 57.610 postos de trabalho, tendo admitido, ao longo do mês, 614.873 pessoas, e demitido 557.263.
O governo federal informou que "parece pouco frente ao que era gerado antes, mas é preciso considerar que foi o mês em que se sentiu mais o impacto da segunda onda da Covid-19”. 
Na primeira onda, ano passado, o País perdeu mais de 900 mil empregos. Agora, criou 120 mil. 
Todos os dados fazem parte das estatísticas mensais do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), que o ministério divulgou ontem. Com o resultado, o estoque de empregos formais no País (quantidade total de vínculos celetistas ativos) chegou a 40.320.857 – o que representa uma variação positiva de 0,30% sobre os 40.199.922 registrados em março.
Ainda não se sabe se os resultados devem ou não ser comemorados, uma vez que a pandemia continua existindo e milhares de brasileiros continuam sem emprego.
Mas não há dúvida de que há um alento em meio a um momento tão difícil de pandemia no País.
Portanto, a geração de empregos segue sendo um grande desafio, sobretudo, em razão do compasso de espera por conta da indústria que aguarda uma melhora no setor da economia.

Leia Também